A força da repetição

Sou um praticante júnior (bastante júnior) de Krav Maga, arte marcial israelita. Tem componentes

de boxe, ju-jitsu, wrestling, etc. Há combate em pé e no chão. Há combate de mãos nuas e contra

arma branca. Inclui também movimentos de defesa contra arma de fogo. E por aí fora.

Sou um tipo que nunca fez exercício de forma dedicada ao longo da vida e, menos, artes marciais

ou desportos de combate.

Hoje, faço algum esforço para aprender. Às vezes é frustrante. Por várias razões – e nem vou

considerar as de natureza física. Primeiro, porque adquirir proficiência no gesto técnico é difícil.

Segundo, porque é difícil recordar aquilo que se aprende num treino, no treino seguinte. Terceiro,

porque o automatismo, quando o contexto se altera um pouco, tarda em aparecer.

Olho para os colegas de nível mais avançado não sem inveja. Que bom seria se, com o (não)

esforço de um clique, garantisse o download de todo aquele conhecimento de forma imediata!

Claro que há dois aspectos que me afastam muito dos colegas mais avançados. O primeiro é que,

na maioria dos casos, iniciaram este treino numa idade bem inferior àquela em que eu

comecei. O segundo, mais importante, é que já repetiram aqueles gestos milhares de vezes mais

do que eu. Começar mais cedo ajuda, está claro, desde logo porque permite ter-se mais tempo

para repetir mais vezes.

Hugo Belchior Krav Maga

A proficiência numa qualquer actividade terá certamente uma componente de predisposição

individual – por mais que treinasse, nunca seria um Messi – contudo, porventura com excepção

dos verdadeiros outliers, a proficiência vem apenas da repetição. Afincada, dedicada, sistemática.

E, naturalmente, corrigindo os erros. Dia após dia. Repetição após repetição.

Se isto se aplica em qualquer actividade desportiva, também se aplica na gestão. Quanto mais

vezes conduzo reuniões e melhor as quero conduzir, tendo a melhorar neste aspecto. O mesmo

para análises financeiras, campanhas de marketing, conversas difíceis com colaboradores,

negociação com fornecedores, e por aí fora.

Uns com mais facilidade do que outros, todos aprendemos. Agora, será que todos temos a

mesma fome de aprender? A mesma determinação para repetir? E se, em cada uma das coisas

que fazemos, tivéssemos a determinação e dedicação de um Cristiano Ronaldo? Ou a paixão que

o Ayrton Senna tinha?

É hora de descansar. Ainda estou a recuperar do treino de Krav Maga de ontem. E ainda por cima

foi combate no solo. E, mais uma vez, ficou dolorosamente claro que tenho que treinar

muitas mais vezes. Milhares de vezes!

Um pensamento sobre “A força da repetição

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s